Segundo secretário da Semas, as oficinas de diagnósticos socioambientais são muito importantes para ouvir quem cuida, trabalha e vive dos ambientes de proteção ambiental

O secretário estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade, José Bertotti, participou na manhã desta terça-feira, 07, da abertura das Oficinas de Diagnósticos Socioambientais, que envolvem seis unidades de conservação localizadas nos municípios de Tamandaré, Sirinhaém, Rio Formoso, Barreiros e Ipojuca. O evento faz parte do programa UC Pernambuco e foi promovido pela Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), com a apoio do Centro de Pesquisa e Conservação da Biodiversidade Marinha do Nordeste (Cepene), em Tamandaré, onde foi realizada a atividade. A iniciativa, que segue até o final do dia, conta com cerca de 80 participantes, entre gestores municipais, representantes da sociedade civil, universidades, associações de pescadores e empresários que puderam se inscrever antecipadamente pelo e-mail ucpernambuco@itep.br.

De acordo com José Bertotti, as Oficinas de Diagnósticos serão importante para dar voz e vez aos atores sociais envolvidos direta ou indiretamente com as Unidades de Conservação, como moradores, pescadores, agricultores, empreendedores locais, ambientalistas, pesquisadores, lideranças comunitárias, gestores e entidades representativas do poder público e da sociedade civil. A troca de informações com a sociedade vai dar condições à equipe do Programa fazer um levantamento das principais características socioambientais, assim como identificar os problemas e o potencial de cada UC.

“As oficinas de diagnósticos socioambientais são uma etapa muito importante para ouvir quem cuida, trabalha e vive destes ambientes de proteção ambiental e pra que a gente possa ter ações, cada vez mais efetivas como políticas de estado. E com essa quantidade de gente presente, não tenho dúvida de que os conselhos gestores serão muito ativos e atuantes para garantir a preservação ambiental com inclusão social, fazendo com que Pernambuco avance nessa lógica do desenvolvimento sustentável”, afirmou o secretário Bertotti.

O trabalho realizado nesta sexta-feira, contempla a Área de Proteção Ambiental (APA) de Guadalupe, APA de Sirinhaém, APA Marinha Recifes-Serrambi, APA Estuarina do Rio Formoso, APA Estuarina do Rio Carro Quebrado e a APA Estuarina dos Rios Sirinhaém e Maracaípe. As regiões integram o Agrupamento Litoral Sul, especificado pelo programa UC Pernambuco. No caso da APA de Guadalupe, que já possui Conselho Gestor e Plano de Manejo, será realizada a atualização do diagnóstico socioambiental e do instrumento de gestão, enquanto para a APA Marinha e a APA de Sirinhaém serão elaborados os Planos de Manejo. Já para as APAs Estuarinas será realizada, apenas, a etapa de diagnósticos.

Programa

O programa UC Pernambuco é uma iniciativa da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) e recebe recursos provenientes da compensação ambiental arrecadados pela Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH), órgão responsável pelo gerenciamento das Unidades de Conservação no Estado. O objetivo é a promoção de soluções integradas à gestão ambiental de UCs. Ao todo, serão contempladas 47 unidades, distribuídas por 35 municípios, localizadas em áreas dos biomas Caatinga e Mata Atlântica e ecossistemas associados, que estão divididas em agrupamentos. Na execução do projeto, o UC Pernambuco conta com o Instituto de Tecnologia de Pernambuco (Itep), organização contratada para executar o Programa e o Instituto Recifes Costeiros (IRCOS) – instituição responsável pela mobilização social e por trabalhar os diagnósticos, que subsidiarão as demais etapas do projeto, apontando elementos fundamentais para os Planos de Manejo de cada UC.

Fotos: Pedro Caldas