Como parte do Programa Refloresta Pernambuco, lançado pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas-PE), o Serviço de Tecnologia Alternativa (SERTA), que é uma organização da sociedade civil, tem promovido a recuperação de áreas degradadas nas propriedades rurais de agricultores familiares pernambucanos. Com recursos captados por meio do Edital do Fundo Estadual de Meio Ambiente (Fema) nº1/ 2021, o projeto piloto desenvolvido pelo SERTA, através do replantio de mudas nativas, tem beneficiado áreas degradadas, ou em processo de degradação, nos municípios de Glória do Goitá, Feira Nova, Pombos e Lagoa de Itaenga.

Contando com o suporte de nove profissionais, entre consultores e estagiários, o projeto contemplado e concebido pelo SERTA já está em execução desde fevereiro deste ano. Desde então já foram realizados os cadastros das famílias que vivem no entorno de dez nascentes que serão recuperadas. Atualmente, o projeto está em fase de operacionalização. Estão sendo desenvolvidas atividades de assistência técnica e extensão rural junto às famílias do programa, além da implantação de um viveiro de mudas nativas com capacidade de produção de 10 mil mudas por ano, atendendo ao programa de recuperação de nascentes e aos demais projetos do SERTA ao longo de todo o território pernambucano.

Projetado para atender direta e indiretamente cerca de 250 famílias, considerando que essas têm uma média de 4 integrantes, o projeto contemplado no edital deve impactar um número próximo a 1.000 pessoas. São famílias que têm recebido o suporte para reflorestar áreas degradadas a partir de sistemas agroflorestais. Além desta iniciativa do SERTA, outros cinco projetos foram selecionados na primeira etapa do Programa Refloresta Pernambuco, visando especificamente a restauração das áreas degradadas ou em processo de degradação nos biomas da Caatinga e Mata Atlântica. Os seis projetos foram contemplados pelo Edital FEMA nº1/2021, cada um, com um montante de R$ 300 mil para o desenvolvimento do respectivo projeto.

Alexsandra Maria da Silva, presidente do SERTA, acredita que o Programa Refloresta Pernambuco é uma oportunidade imensa de se promover a recuperação ambiental aliada ao desenvolvimento econômico do estado e a qualidade de vida das pessoas. “Essa é uma  significativa oportunidade de recuperação ambiental nas áreas que sofreram grandes impactos. Ela contribui com a formação das famílias em educação agroecológica, na perspectiva do bem viver, possibilitando segurança alimentar e nutricional através das práticas desenvolvidas na introdução dos sistemas agroflorestais. Além da própria segurança hídrica, conquistada através da recuperação das nascentes. Esse tipo de projeto contribui para a geração de renda e melhora financeira das famílias, já que terão um aumento da produção e a diversificação de alimentos”, explicou Alexsandra.