Semas realiza ciclo de webinários sobre combate ao lixo no Mar

Pesquisadores apresentarão levantamento sobre as fontes poluidoras identificadas no continente ao longo da zona costeira do estado

A Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas/PE) dá início, nesta quinta-feira (15), às 10h, ao primeiro webinário de uma série de três sobre o Combate ao Lixo no Mar. Na ocasião, pesquisadores vão apresentar os levantamentos e mapeamentos feitos sobre os pontos de maior fluxo gerador de resíduos na área costeira do estado e haverá o diálogo com representantes de instituições governamentais dos municípios e do estado. O encontro ocorre no âmbito do Fórum Pernambucano de Resíduos Sólidos e visa reunir contribuições para a elaboração do Plano de Ação de Combate ao Lixo no Mar de Pernambuco (PACLM-PE).

Entre dezembro de 2020 e julho desde ano, a Semas/PE – com o apoio do Projeto TerraMar/ Agência Alemã de Cooperação Técnica (GIZ) que contratou uma consultoria especializada – realizou a coleta de dados e de imagens nos 15 municípios que compõem a zona litorânea e estuarina do estado para a construção do PACLM-PE. Esse trabalho está sistematizado com dados georreferenciados e seu registro em mapas e fotografias aéreas dos municípios. Além das equipes técnicas da Semas, as vistorias de campo foram acompanhadas pela Agência Estadual de Meio Ambiente – CPRH, gestores, técnicos ou atores sociais dos municípios, conhecedores da gestão dos resíduos sólidos urbanos de cada região. Agora essas informações serão fruto de debate e receberá contribuições no webinário.

“O Governo de Pernambuco está dando um passo importante na construção de Plano de Combate ao Lixo no Mar, seguindo as diretrizes do Plano Nacional e atendendo aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU (ODS) 12 e 14. É preciso mobilizar os diversos atores sociais sobre a necessidade urgente de revertermos o problema da poluição dos oceanos alertado pela ONU, que vem causando perda da biodiversidade, com graves impactos ambientais que atingem desde o zooplâncton, até tartarugas e aves marinhas”, ressaltou o secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade, José Bertotti.

A prioridade do levantamento foi a identificação dos pontos de maior fluxo de resíduos descartados inadequadamente na faixa litorânea do continente pernambucano que se destinam ao mar. Segundo pesquisas recentes, assim como no Brasil, aqui no estado, cerca de 80% do lixo que está no mar tem origem no continente, gerando impactos ambientais, sociais e econômicos. A situação se agrava quando os detritos que chegam ao oceano são dispersados em virtude das correntes marinhas e da direção dos ventos.

O primeiro webinário da série é composto por dois painéis: ‘Contextualizando o Problema do Lixo no Mar’, com o superintendente de Meio Ambiente da Semas, Bertrand Sampaio de Alencar; e ‘O Relatório de Sistematização e o Mapeamento de Informações do Plano de Ação para o Combate ao Lixo no Mar de Pernambuco (PACLM-PE)’, com os consultores técnicos e especialistas do Projeto Terra Mar, Thilo Schmidt e José Renato Correia. Após as apresentações, será aberto o espaço para contribuições e troca de informações entre os participantes. O evento será mediado pela gerente de Política Costeira da Semas, Andrea Olinto.

Os webinários são eventos preparatórios para outros encontros com participações da sociedade civil. O próximo passo será a elaboração de uma proposta do Plano Estadual de Ação de Combate ao Lixo no Mar, a ser consolidada em oficina participativa e audiência pública, envolvendo todos os segmentos do governo e da sociedade. Esse documento, que deve ficar pronto ainda este ano, conterá informações georreferenciadas da origem do problema, além das propostas de ações integradas construídas de forma participativa entre estado, municípios, sociedade civil, população local, além de universidades e institutos de pesquisa voltados à conservação marinha.

O PACLM-PE abrangerá a faixa terrestre dos treze municípios localizado defronte ao mar (Goiana, Itamaracá, Igarassu, Paulista, Olinda, Recife, Jaboatão dos Guararapes, Cabo de Santo Agostinho, Ipojuca, Sirinhaém, Tamandaré, Barreiros e São José da Coroa Grande), além de dois municípios estuarinos (Itapissuma e Rio Formoso).

 

Texto: Flávia Cavalcanti e Cátia Oliveira

Foto: Projeto TerraMar/Agência GIZ