Segundo gestor da Semas, acordo deve gerar novas oportunidades econômicas no estado

O Secretário estadual de Meio ambiente e Sustentabilidade, José Bertotti, juntamente com os CEOs da prestadora de serviços ambientais Reecicle e da plataforma tecnológica de economia circular Circular Brain, firmaram na última terça-feira (28), acordo de cooperação técnica, para realizarem diversas iniciativas voltadas para educação ambiental, coleta e tratamento de resíduos eletrônicos no estado. A atividade, que contou com painel sobre resíduos sólidos, apresentado pelo superintendente de Meio Ambiente da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco (Semas/PE), Bertrand Sampaio, foi realizada, a partir das 16h, na sede do Instituto de Tecnologia de Pernambuco (Itepe) tendo sido transmitida pelo canal das no Youtube.

De acordo com o secretário da Semas José Bertotti, o acordo possibilita a geração de novas oportunidades voltadas para a economia circular, assim como desenvolvimento de demais iniciativas sustentáveis. “A gente estava precisando que se criasse essa oportunidade tanto para a população fazer o descarte adequando deste resíduos, quanto poder melhorar esta cadeia gerando emprego e renda para a nossa população. E a gente, por meio do Plano de Descarbonização do estado, deve trabalhar essa questão das energias renováveis, da substituição da matriz fóssil, das soluções de mobilidade e, agora, teremos a oportunidade de desenvolver soluções de reaproveitamento de novos resíduos, contando com a adesão dos cidadãos que estão em suas casas, além das organizações de catadores de recicláveis a ser incluída nessa iniciativa”, afirmou José Bertotti .

“Essa parceria vai possibilitar que a mineração do resíduo seja feita no próprio estado e nosso objetivo é coletar 150 toneladas de resíduos, fazendo com que eles sejam processados com total rastreabilidade e adesão às normas vigentes, permitindo também que as empresas privadas possam apoiar a campanha para que nós possamos levá-la, além da região metropolitana e Garanhuns, à outras cidades. E cada quilo coletado vai gerar uma economia no processamento de resíduos resultando em desenvolvimento sustentável para o estado”, afirmou o CEO da Circular Brain, Fernando Perfeito.

Segundo Sávio de França, CEO da Reecicle o resíduo eletroeletrônico o que mais cresce no planeta e vira um problema ao ser descartado como lixo comum “O resíduo eletrônico cresceu três vezes mais que os demais resíduos e percebemos um grande acréscimo neste consumo principalmente na pandemia. E o que fazer com estes equipamentos adquiridos pós-consumo? O aparato eletroeletrônico é muito útil, mas se transforma em um problema quando não é mais utilizado pelas pessoas. E hoje estamos com aproximadamente 2,5 bilhão de toneladas de resíduo gerados por ano”, destacou Sávio.

O acordo foca em engajar entidades públicas e privadas, assim como consumidores finais em ações conjuntas de promoção à logística reversa, pois o volume de lixo eletrônico é crescente e impacta no meio ambiente.

Entre as inciativas previstas a serem implementadas estão a disponibilização de coletores em localidades diversas da região metropolitana como escolas, prefeituras e demais instituições; coleta de material por meio de solicitação em plataforma digital a ser elaborada; ações de divulgação e educação ambiental, treinamentos, inclusão de organizações de catadores de materiais recicláveis nas atividades a serem desenvolvidas, e a elaboração de cartilhas sobre descarte adequado de resíduos.