Semas e União Europeia iniciam parceria para descarbonizar a economia do Estado

O trabalho mira a elaboração de um plano estruturado para zerar as emissões de gases do efeito estufa no Estado, com metas escalonadas para 2025, 2035 e 2050.

Pernambuco será o primeiro estado do Nordeste a elaborar um Plano de Descarbonização de sua economia. A Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas/PE) fechou uma parceria com a União Europeia para construir o roteiro de ações necessárias a zerar as emissões de Gases do Efeito Estufa no Estado. O pontapé inicial desse trabalho será dado, nesta quinta-feira (13), às 9h, na reunião do Fórum Pernambucano de Mudança do Clima. No encontro, transmitido pelas redes sociais, serão detalhadas as atividades, etapas e metodologia usada na construção desse documento que segue os mais modernos parâmetros internacionais.

O evento – coordenado por José Bertotti, secretário da Semas – contará com a participação do representante da delegação da União Europeia, Ignácio Asenjo; do professor titular do Programa de Planejamento Energético da Coppe/UFRJ, Roberto Schaeffer; do vice-reitor da Universidade Federal de Pernambuco, Moacyr Araújo; e do coordenador técnico para elaboração do plano de descarbonização, Régis Rathmann. Também integrará a reunião o secretário Estadual de Desenvolvimento Econômico e presidente do ICLEI para a América do Sul, Geraldo Júlio, cuja pasta acompanhará de perto e contribuirá para o sucesso da iniciativa.

“A estratégia de transição de um modelo econômico linear e baseado no combustível fóssil, para um modelo circular e sustentável precisa ser sólida e contínua, entregando resultados a curto, médio e longo prazo. É isso que estamos projetando para Pernambuco, um caminho consistente a ser percorrido rumo ao desenvolvimento sustentável. Claro, tudo isso será dialogado e construído com as universidades, organizações, municípios e especialmente com os setores econômicos envolvidos, como transporte, energia, indústria, resíduos e agricultura”, explica Bertotti.

O Plano de Descarbonização será elaborado a partir de projeções da economia atual, considerando os setores que mais impactam em termos de liberação dos gases causadores do aquecimento global. Com isso, será desenhada a trajetória para alcançar a neutralidade carbônica, ou seja, as medidas mais eficazes para acabar com as emissões ou compensar aquilo que não for possível deixar de produzir. Nesse processo, destaca-se a metodologia escolhida por Pernambuco. Ela é a mesma que vem sendo usada no mais novo relatório do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climática da ONU) e o seu emprego num plano estadual representa um esforço inédito, em âmbito latino-americano.

De forma consistente, o estudo apresentará metas escalonadas de redução a serem alcançadas em 2025, 2035 e 2050. Serão, inclusive, apontados os investimentos necessários e os impactos sociais e econômicos decorrentes das ações propostas, que visam – além do corte de emissões – a geração de empregos e a melhoria da qualidade de vida. A substituição de matrizes energéticas por tecnologias de baixo carbono, como o biocombustível, a energia fotovoltaica, a energia eólica, a gerada a partir do hidrogênio, entre outras, é um dos fatores a ser levado em consideração na construção do plano. Também não está descartada a possibilidade de um mercado de carbono, a exemplo do que já ocorre na Europa, com créditos de carbono para empresas que reportem suas emissões e atinjam determinados patamares a serem estabelecidos.

A versão final do Plano de Descarbonização do Estado será publicada em fevereiro de 2022, mas vários produtos intermediários serão consolidados e debatidos. Entre eles está a síntese das políticas públicas propostas para adoção das soluções de baixo carbono a ser apresentada por Pernambuco na COP 26, que acontecerá em novembro deste ano, em Glasgow, na Escócia. “É possível sim atingir a neutralidade carbônica com impactos positivos na economia e no emprego. A União Europeia, que já definiu sua estratégia para tornar sua economia sustentável até 2050, inclusive considerando a retomada econômica verde pós-Covid, nos mostra isso e ela vai nos apoiar na construção do nosso roteiro verde para o desenvolvimento sustentável”, finalizou Bertotti.

Serviço

O que: Semas e União Europeia iniciam parceria para descarbonizar a economia do Estado.
Quando: nesta quinta-feira (13), às 9h.
Onde: https://www.youtube.com/watch?v=KRL4j-UMVog