A iniciativa prevê planos de manejo e estruturação de conselhos gestores para a preservação dos territórios

O lançamento do Programa UC Pernambuco para o Agrupamento Sistema Gurjaú foi lançado nesta sexta-feira,19, por meio de videoconferência transmitida pelo canal da secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco (Semas/PE), no Youtube. A iniciativa, realizada pela Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco (Semas/PE), juntamente com a agência ambiental CPRH, conta com a execução do Instituto Tecnológico de Pernambuco (Itep). A organização realiza o trabalho em parceria com diversas instituições e, para esta atuação nas UCs do Sistema Gurjaú, que compreende os municípios de Cabo de Santo Agostinho, Jaboatão dos Guararapes e Moreno, tem a parceria da Associação de Plantas do Nordeste (APNE).

O programa UC Pernambuco prevê a elaboração de estudos ambientais e instrumentos de inovação para a gestão ambiental e conservação da biodiversidade em Unidades de Conservação de Pernambuco. Além de 6 estudos socioambientais em Áreas de Proteção Ambiental (APAs) estuarinas, serão elaborados 41 planos de manejo (um documento técnico que define o zoneamento e as normas que devem presidir o uso da área e o manuseio dos recursos naturais) com seus respectivos diagnósticos, zoneamentos e programas de manejo ambiental, além de corredores ecológicos e conselhos gestores.

“O combate à emergia climática se relaciona diretamente com o trabalho que a gente está fazendo hoje em parceria com o Itep e com a APNE, de maneira inovadora juntamente com a CPRH, responsável pela gestão compartilhada das unidades de conservação. Importante destacar que o programa coloca uma equipe de excelência para apoio aos municípios nesta construção de diagnósticos socioambientais, planos de manejo e a estruturação de conselhos gestores com a participação da sociedade civil. Este trabalho está rodando o estado com mais de 30 municípios a serem beneficiados, principalmente com as iniciativas do governador, que já assinou 5 decretos de criação de unidades de conservação. Esse plano de manejo da Mata Norte pode nos ajudar a identificar quais as nascentes de maior importância, as áreas prioritárias para recompor a cobertura vegetal entre outras iniciativas”, ressaltou Bertotti.

De acordo com o Frans Parein, coordenador geral da APNE, as unidades a serem implementados os planos de manejo e conselho gestor, são Refúgios de Vida Silvestre (RVS) e têm uma característica específicas de unidades de conservação de proteção integral, mas devem dialogar com as atividades existentes no entorno. “O objetivo seria conservação integral do território, sua biodiversidade e as paisagens. No entanto, existem atividades de cultivo como cana –de-açúcar, banana, uva e outras fruteiras irrigadas e a iniciativa do plano de manejo e do conselho gestor vai dar oportunidade de vermos que tipos de atividades poderão convergir com os objetivos da unidade de conservação e de convivência com as pessoas e as culturas do entorno”, explicou.

Segundo Janaína Teixeira, Diretora de Recursos Florestais e Biodiversidade da CPRH, dentro deste complexo de Refúgios da Vida Silvestre há cerca de 200 nascentes protegidas que fornecem a água que abastece cerca de 10% da região metropolitana do Recife e a iniciativa do programa deve fortalecer as atividades de conservação nas UCs. “No dia de hoje vamos dar início a este trabalho que vai ser importantíssimo para ao fortalecimento desta gestão que cobre uma érea fundamental na prestação de serviços ecossistêmicos”, ressaltou.

Participaram da atividade prefeituras de diversos municípios, pesquisadores, universidades e representantes de diversas entidades que puderam enviar perguntas e tirar dúvidas pelo chat.