Em live de abertura da V Semana das Unidades de Conservação da Natureza, Secretário da Semas e convidados fazem balanço da COP do clima e destacam importância do programa UC Pernambuco

Nesta segunda-feira, 22, foi realizada a live de abertura oficial da V Semana das Unidades de Conservação da Natureza: horizonte de possibilidades, que contou com a participação do secretário estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade, José Bertotti, do diretor-presidente da agência de Meio Ambiente do estado-CPRH, Djalma Paes, do representante do Instituto Talanoa, Walter Figueiredo De Simoni e o ex-secretário executivo da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), professor da Universidade de Brasília, Bráulio Dias. Na pauta do encontro, mediado por Janaína Teixeira da CPRH, esteve o resultado da COP 26 e a relevância das unidades de Conservação no combate às mudanças climáticas e preservação da nossa biodiversidade.

Na ocasião, o secretário José Bertotti, saudou os convidados e ressaltou a importância do programa UC Pernambuco, trazendo relatos da Conferência do Clima da ONU. “Gostaria de destacar aqui, na semana das UCs, a importância desse programa que é um passo importante que Pernambuco assume para a conservação da nossa biodiversidade. Já foram criadas mais 5 unidades, durante a segunda gestão Paulo Câmara, que receberão planos de manejo e de gestão compartilhada com a sociedade civil. Gostaria de saudar também a participação do instituto Talanoa, que junto com o instituto Clima e Sociedade apresentaram um importante estudo para avançar no enfrentamento às mudanças climáticas, em Glasgow, na COP do Clima, e sabemos que o aquecimento global está relacionado com a perda da nossa biodiversidade. É fundamental que a a gente comece a pensar em um novo modelo de desenvolvimento como destacamos na COP26, a partir da transição para novas matrizes energéticas como assinala nosso plano de descarbonização que está estruturando um conjunto de ações na área de energia renovável, de tratamento de resíduos sólidos, na área de programas voltados para agricultura sustentável e usos do solo, entre outras”, pontuou José Bertotti.

“Depois de mais de um ano de pandemia e confinamento é importante que as pessoas possam desfrutar das riquezas que são nossas unidades de conservação, sejam elas na Zona da Mata, onde temos resquícios de Mata Atlântica, sejam elas na Caatinga, onde temos diversas unidades de conservação, e isto em um momento tão crucial quando vemos uma grande devastação em diversos territórios e Pernambuco levou para a COP nossas preocupações e nossa luta para preservar as nossas 89 Unidades de Conservação”, destacou o diretor-presidente da CPRH, Djalma Paes.

Walter De Simoni, do Instituto Talanoa, ressaltou que a COP teve muitos pontos exitosos e não pode ser encarada como apenas mais uma conferência, pois conseguiu fechar o livro de regras do acordo de Paris que mantém o acordo vivo, assim como o multilateralismo e regras de transparência. Conforme Walter, vários acordos importantes foram alcançados entre diversos países para redução em 30 % do metano, assim como a declaração para o fim do desmatamento ilegal até 2050. Acordos de transição energética para o fim da utilização do carvão também foram firmados e as instituições financeiras passaram a debater o fim de subsídios e novos investimentos para vários combustíveis fósseis – termo pautado oficialmente em um texto oficial da ONU, como destacou o representante do Talanoa. Anúncios de recursos para países fazerem a transição de suas matrizes energéticas também foram um dos pontos altos do evento do clima, pontuados pelo especialista em políticas ambientais.

O professor da Unb, Bráulio Dias, explanou sobre aquecimento global, a crise climática, seus impactos e eventos adversos. Ressaltou ainda a perda da biodiversidade e a extinção de várias espécies, além das discussões globais sobre a agenda da biodiversidade.

A V Semana das Unidades de Conservação da Natureza: horizonte de possibilidades, promovida pela Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), juntamente com a Agência Estadual de Meio Ambiente do Estado – CPRH segue até o dia 29, com palestras e lives ambientais, ações de educação ambiental com escolas e trilhas ecológicas, além de concurso de fotografia.