Conforme secretário da Semas, José Bertotti, as RPPNs desempenham importante papel na conservação e manutenção da nossa biodiversidade e integram o Sistema Estadual de Unidades de Conservação

A Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas/PE), juntamente com a agência de meio ambiente do estado – CPRH realizaram nesta quarta-feira, 24, o debate on-line “Conservação e Turismo Sustentável nas RPPNs de Pernambuco”, sobre a importância das Reservas Particulares do Patrimônio Natural. O evento, moderado pelo superintendente de Conservação e Biodiversidade da Semas, Maurício Guerra, contou com a participação do secretário da Semas, José Bertotti, da coordenadora do Projeto Mata Atlântica do Nordeste da ONG Save Brasil, Bárbara Cavalcante, e do articulador estadual da Confederação Nacional das RPPNs, Aarão Netto.

De acordo com Bertotti, no âmbito do debate em torno do estímulo à preservação e ao uso sustentável das RPPNs, é importante destacar a celeridade dada pela CPRH aos processos de apreciação e criação de novas unidades. Este ano, já foi dado seguimento a criação de mais uma unidade na Mata Sul, segundo o gestor da pasta ambiental. “As RPPNs têm um importante papel na conservação da nossa biodiversidade, pois fazem parte do Sistema Estadual de Unidades de Conservação, que reúne iniciativas públicas e privadas que prevê planos de manejo, estudos socioambientais e diagnósticos para estas áreas com vistas ao uso sustentável desses territórios”, afirmou José Bertotti.

O articulador estadual da Confederação Nacional das RPPNs, Aarão Netto, trouxe um panorama das RPPNs no país, apresentando um painel de dados colaborativos com indicadores da extensão destas unidades de conservação privadas no País. Destacou que 73% delas está localizada em áreas de Mata Atlântica e 15% no Cerrado. Dentre as regiões que mais concentrariam estas unidades estaria a sudeste em primeiro lugar, seguida pela região sul, com o Nordeste ocupando a terceira posição.

A coordenadora do Projeto Mata Atlântica do Nordeste, Bárbara Cavalcante, da Ong Save Brasil – Sociedade para a Conservação das Aves, abordou o projeto desenvolvido pela Ong, entre Pernambuco e Alagoas – numa área que abrange a Serra do Urubu, do lado pernambucano e Serra do Murici, em Alagoas. Segundo Bárbara, o território abriga fragmentos de Mata Atlântica, reconhecidos como prioritários para a conservação das aves e da biodiversidade como um todo. A Save Brasil gere a RPPN Pedra D´Antas, que faz parte de uma aliança global de entidades de conservação da natureza com projetos de conservação em vários lugares do País.

Ao final das explanações, os internautas puderam enviar perguntas pelo chat e tirar dúvidas com os convidados do debate transmitido pelo canal da Semas no Youtube. O evento faz parte da V Semana das Unidades de Conservação da Natureza: horizonte de possibilidades. A programação, que segue até a próxima segunda, 29, conta com lives e palestras ambientais, apresentação de projetos de preservação, reabertura de Unidades de Conservação e concurso de fotografia.