O convênio em parceira com o Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste, CEPAN, visa restaurar florestas de Mata Atlântica, recuperando nascentes degredadas e fortalecendo a agricultura familiar, com segurança hídrica, alimentar e econômica da região.

Mais um convênio financiado pelo Fundo Estadual de Meio Ambiente, FEMA 01, foi firmado na manhã desta terça-feira, 14, através da secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade, para promover a restauração da Mata Atlântica em Áreas de Preservação Permanente, APPs, por meio da implantação de Sistemas Agroflorestais, para recuperação de nascentes degredadas. Este projeto vai beneficiar produtores rurais também com capacitação e assistência técnica. Desta vez, a iniciativa contemplou o município de Lagoa dos Gatos, no Agreste Pernambucano, onde serão implantados Sistemas Agroflorestais (SAFs) em dois hectares de área, proporcionando o incremento da cobertura florestal de Mata Atlântica e consequentemente, contribuindo para a conservação da biodiversidade do local.

O projeto tem a duração de dois anos e receberá um aporte financeiro de R$339.035,66, que serão utilizados na mobilização de produtores rurais para a capacitação e implantação dos Sistemas Agroflorestais em suas propriedades, para realizar um levantamento de mercados locais estabelecidos, indicando os potenciais produtos para produção agroflorestal e implantar o manejo dos Sistemas Agroflorestais (SAFs). O secretário de Meio Ambiente e sustentabilidade José Bertotti, ao assinar o convênio afirmou que com este projeto, serão recuperadas mais nascentes, fortalecendo a segurança hídrica do Estado.

” Esta iniciativa de Sistema Agroflorestal vai recuperar as nascentes no entorno do Açude de Cajueiro, em Lagoa dos Gatos, que hoje já abastece seis cidades da Região. Então, integrado ao Sistema de Agroflorestal, vamos recuperar mais nascentes, reforçando o fornecimento de água no Estado, além de recuperar o meio ambiente, que volta a ter um equilíbrio das nossas Unidades de Conservação, combatendo as mudanças climáticas, com uma produção agrícola sustentável. As 93 famílias daqui estão de parabéns pelo que já preservaram e que vão preservar ainda mais com esta iniciativa que implantamos hoje”.

Os principais beneficiários desta iniciativa serão 40 famílias de agricultores do Assentamento Gulandy/Guabiraba, além dos envolvidos diretamente nas ações do projeto, ou seja, cerca de 160 pessoas beneficiadas em domicílios familiares que, utilizando as técnicas adquiridas, executarão os novos conhecimentos sob a supervisão da equipe do Cepan e parceiros, bem como produzirão, em caráter educativo, parte das sementes e mudas necessárias para as ações previstas no projeto. Posteriormente, esses atores serão instruídos e assistidos na fase de monitoramento e manejo de seus sistemas agroflorestais, acompanhados por Assistente Técnico Rural, como forma de garantir o maior rendimento e sucesso nas ações previstas.