Cirsol, lançamento do Plano de Descarbonização, Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa 2015-2020 e editais do Projeto Refloresta foram alguns dos anúncios realizados na reunião da ANAMMA

Na manhã desta quarta-feira (09/03), aconteceu o VIII Encontro Estadual da ANAMMA – Associação Nacional de Municípios, que reuniu, de forma virtual, gestores ambientais de cerca de 40 municípios pernambucanos.  Na ocasião, o secretário estadual de meio ambiente, José Bertotti, e a secretária executiva de meio ambiente, Inamara Mélo, apresentaram as políticas públicas que vêm sendo executadas no Estado nos últimos meses como também projetos, ações, editais, iniciativas e encontros que acontecerão ao longo do ano. A inauguração do Laboratório da CPRH, a Cirsol, o lançamento do Plano de Descarbonização, do Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa 2015-2020 e os editais do Projeto Refloresta foram alguns dos temas abordados.

A reunião foi iniciada por Rafael Buda, que está à frente da Gerência de Articulação Socioambiental da SEMAS-PE, um espaço voltado para o desenvolvimento em prol da consolidação estadual de meio ambiente e sustentabilidade do estado, que vem realizando uma série de atividades e diálogos com os municípios para aproximar as gestões municipais das políticas públicas que estão sendo construídas e desenvolvidas por meio da Semas PE e da Agência Estadual de Meio Ambiente – CPRH. Rafael ressaltou, na semana da Mulher, o papel protagonista das mulheres no meio ambiente, mulheres que ocupam cada vez mais espaços de poder, que são gestoras, secretarias municipais de meio ambiente.

Carlos Ribero, presidente da ANAMMA

Na sequência, foi a vez de Carlos Ribeiro, presidente da ANAMMA e secretário de Meio Ambiente do Recife, proferir a palavra destacando a importância do evento: “Mais uma vez estamos aqui juntos para que a gente estabeleça uma política mais ativa, mais participante, com mais interações com o município, com mais diálogo com o governo do Estado”. Dentre os municípios presentes estavam Bezerros, Moreno, São Lourenço da Mata, Paudalho, Terra Nova, Cabo de Santo Agostinho, Toritama, Surubim, Ipojuca, Santa Cruz do Capibaribe, Camaragibe, Passira, Araçoiaba, Recife, entre outros.

O presidente da Agência CPRH, Djalma Paes, também estava presente na reunião e ressaltou a importância da conversa, do diálogo, da troca de ideia para se buscar o fortalecimento sistema de meio ambiente do estado de Pernambuco. “Pernambuco tem muitas adversidades, dificuldade de recursos hídricos, a área da Caatinga e resquícios de Mata Atlântica, mas tem pessoas guerreiras interessadas e importantes no sentido de travarmos essa luta principalmente no momento em que vivemos numa adversidade tão grande, onde se vê o desmonte na verdade desde o início com o Conselho de Meio Ambiente federal onde nós estados perdemos vagas de representação. Cada estado tinha uma vaga de representação e hoje temos apenas cinco representantes para serem escolhidos, trocando de gestão de ano em ano, para representar todos os estados do Brasil. Na verdade, nós formos cerceados com as falas daquilo que poderíamos contribuir de forma bem mais efetiva, para que o Governo Federal pudesse compreender as dificuldades de cada um dos nossos estados. Mas aí cabe a nós aqui em Pernambuco darmos essa lição, não só para o nosso estado, mas para o Brasil nos demais estados, a resistência que Pernambuco vem efetuando. Nesse período, enquanto vemos a destruição da Amazônia, nós vemos aqui no estado de PE que o governo ultimamente criou mais cinco unidades de conservação que têm importância fundamental, uma delas para proteger e preservar as nascentes do rio Capibaribe, que é o maior rio pernambucano e nós estamos fazendo dessa forma a proteção do meio ambiente”, enfatizou.

Djalma Paes, presidente da Agência CPRH

O Presidente da Agência CPRH também falou sobre a nova sede do Laboratório Adaucto da Silva Teixeira que foi inaugurada esta semana: “Gostaríamos de saudar aqui também o convênio com o BID, no saneamento e proteção do rio Ipojuca, um projeto em andamento onde está previsto o saneamento de 12 cidades da bacia hidrográfica do rio Ipojuca, cuja contrapartida foi a criação da sede do Laboratório Adaucto da Silva Teixeira da CPRH, que tem uma importância fundamental. O surgimento da CPRH foi com o laboratório, da necessidade de se tratar o vinhoto dos rios dos nosso estado que era jogado pelas usinas e que era importante se ter um controle sobre isso. Foi criado há 45 anos e ao longo do tempo, outros serviços foram necessários como a balneabilidade das praias, semanalmente no site da CPRH nós temos os resultados das análises de água que são feitas todas as semanas, das principais praias do estado de Pernambuco, dizendo se estão impróprias, se não estão impróprias, além do que isso é um instrumento, porque a gente sabe que o meio ambiente também precisa de um instrumento de análise, de pesquisa, de dados, e o laboratório exatamente enriquece o conhecimento das pessoas no sentido de buscar soluções. Temos a análise dos nossos rios, se tem esgoto, qual é qualidade da água dos nossos rios e a análise dos nossos reservatórios, principalmente aqueles que são de abastecimento público. É importante que se tenha esse acompanhamento porque na verdade estamos tratando também de saúde pública. É um  laboratório público e, finalmente, depois de 45 anos, inauguramos a sua sede, o laboratório está num espaço apropriado e é considerado um dos melhores do Brasil. E ele está à disposição também para todos os municípios do estado de Pernambuco”.

A secretária executiva de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco, Inamara Mélo, apresentou as atividades e eventos previstos para os próximos meses como a  Cirsol (que acontece de 16 a 18 de março no Recife), o lançamento do Plano de Descarbonização (previsto para o dia 16 de março, na abertura da Cirsol),  o lançamento do Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa 2015-2020 e os editais do Projeto Refloresta. Inamara também destacou os feitos ambientais realizados ao longo dos meses em Pernambuco, como a inauguração do Laboratório da CPRH e a reestruturação do Parque Dois Irmãos, que fica dentro de uma unidade de conservação.

José Bertotti, secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco

O secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco, José Bertotti, também destacou a importância do novo Laboratório da CPRH para Pernambuco e falou sobre a relevância dos municípios estarem presentes na I Conferência Internacional de Resíduos Sólidos – Cirsol, onde será lançado o Plano de Descarbonização de Pernambuco: “Gostaria de reforçar o convite para todos estarem presentes na Cirsol de maneira física ou online que é um evento internacional que vai tratar de um dos assuntos que tem sido para nós muito importante. Quando me perguntam qual é a principal questão ambiental do estado de Pernambuco eu falo que é o plano de fundo das políticas de enfrentamento às mudanças climáticas, por ser uma emergência mundial, por Pernambuco trabalhar arduamente para poder concretizar um plano de ação que também será lançado aqui na semana que vem pelo governador Paulo Câmara, depois de uma construção com uma consultoria em parceria com a União Europeia, GIC, a UFRJ e principalmente pelo Fórum Pernambucano de Mudanças do Clima. A gente deve estar anunciando na semana que vem um decreto que será assinado pelo governador para instituir a política estadual de enfrentamento às mudanças climáticas, um plano estruturado com metas para a neutralidade de carbono, oferecendo um rol de políticas com 46 tecnologias, 12 medidas e um conjunto de ações para a gente poder, em parceria com os municípios, empresas e universidades avançar nessa política do Estado em neutralizar essas emissões”.

Bertotti também incentivou os munícipios a ficarem atentos a possíveis áreas de conservação nas suas localidades. “Gostaria de reforçar aqui que as unidades de conservação que vocês considerem que são possíveis de serem criadas nos municípios, nós já estamos trabalhando num conjunto de recursos que a agência ambiental através da compensação discute lá no órgão gestor das unidades de conservação, nós temos disponibilidade de financiar estudos para a criação de novas unidades de conservação no estado de Pernambuco e a grande vantagem é que uma vez uma unidade sendo criada, seja ela estadual, federal ou municipal, ela passa a integrar o sistema estadual de conservação. Então eu queria dizer que o sistema estadual de meio ambiente é uma realidade aqui, que evidentemente tem muitos avanços para serem feitos, e não é por outra razão que a gente está fazendo uma reunião como essa”, enfatizou.