Na ocasião, Inamara Mèlo falou sobre a importância do investimento em novas matrizes energéticas e do plano de descarbonização da economia no estado

A secretária executiva de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco Inamara Mèlo, participou, na tarde da quinta-feira, 18, do Encontro Técnico sobre Experiências Subnacionais em Energia Brasil & EUA. Promovida, por meio de videoconferência, pelas organizações Centro Brasil no Clima, (CBC), Instituto Clima e Sociedade (iCS) e pelo Departamento de Comércio Estadunidense no Brasil (United States Commercial Service – Brazil), a atividade contou com gestores estaduais das pastas ambientais dos estados do Ceará, de São Paulo, do Rio Grande do Sul e Pernambuco, além de representantes de organizações de estados estadunidenses e do representante United States Commercial Service – Brazil, Igly Serafim, que abriu a atividade ao lado do Diretor Executivo do Centro Brasil no Clima, Guilherme Syrkis.

O encontro apresentou iniciativas e possibilidade de parcerias das agendas climáticas para transições energéticas já existentes em diferentes estados brasileiros e buscou promover canais de troca de experiências entre membros dos Governos Estaduais brasileiros e membros dos Governos Estaduais Estadunidenses. Para isso, contou com dois painéis de debates e trocas de experiências. O primeiro painel: Desafios e Oportunidades para a Transição Energética trouxe a participação da secretária executiva da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco (Semas/PE), Inamara Mélo.

De acordo com Inamara, a região Nordeste é considerada, ao lado da região amazônica, um hot spot climático. Pernambuco possui 90% do território em áreas sujeitas à desertificação, e seu o litoral bastante vulnerável à erosão costeira. Por isso, conforme Inamara, tanto a capital quanto o estado têm atuado na agenda do clima, desenvolvendo estudos para implementação de políticas de enfrentamento às mudanças climáticas com foco no desenvolvimento de novas matrizes energéticas e a descarbonização da economia, entre outras iniciativas. Contudo, segundo a secretária executiva da pasta ambiental, existem ainda muitos desafios para a consolidação de uma trajetória de descarbonização.

“Devemos caminhar para a ampliação de nossa matriz de energia limpa. Pernambuco possui um destacado potencial sustentável de recursos solares (730 GW) e eólicos (60 GW), e para explorar esse potencial vamos precisar de investimentos para aumentar a capacidade de geração de energia elétrica do estado nos próximos anos. Estamos trabalhando para também para lançar o nosso plano de descarbonização da economia em fevereiro do próximo ano, e discutindo no Estado os resultados das modelagens realizadas para os setores de Energia, Transporte, Resíduos e uso do solo. Também estamos avaliando como superar as barreiras tecnológicas, regulatórias, culturais, de mercado, de informação entre outras. Acredito que esta troca de experiências promovida aqui, pode nos ajudar a superar com mais efetividade e rapidez muitos destes desafios para a implementação da ação climática efetiva”, afirmou a secretária executiva.

A atividade foi mediada pelo Fundador e Consultor Especial do Centro Brasil no Clima, Fábio Feldmann. O encontro buscou contribuir para fortalecer a governança subnacional brasileira e torná-la mais eficaz no cumprimento de suas agendas climáticas, por meio do estabelecimento de parcerias na implementação de energias renováveis visando uma economia de baixo carbono.