A Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco promoverá nesta terça-feira (21/06), das 9h às 13h, no Parque Estadual Dois Irmãos, o Encontro com os Gestores Municipais de Meio Ambiente. O objetivo é discutir a implementação da interiorização e territorialização da Agenda 2030 e dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, estabelecidos pela Organização das Nações Unidas, nos municípios do estado. A ideia é garantir que todas as cidades pernambucanas estejam inclusas e pratiquem a política climática mundial, com a qual Pernambuco assumiu responsabilidade e compromisso. Na ocasião, também serão debatidos temas relacionados à governança ambiental municipal e o licenciamento e às ações para avançar na criação de áreas protegidas e na recuperação das áreas degradadas.

“A agenda climática ainda não é uma realidade de todos os municípios em Pernambuco. Muitos municípios não têm familiaridade com o tema. É preciso agir e fazer as coisas acontecerem. Quando se fala em sustentabilidade, fala-se de acesso à água, à equidade de gênero, de combate à fome, à desigualdade. Fala-se de reduzir os riscos da vulnerabilidade socioambiental frente aos efeitos das mudanças climáticas, aos eventos climáticos extremos, de tornar a sociedade mais resiliente e estruturada para enfrentar essas mudanças”, ressalta Inamara Mélo, secretária estadual de Meio Ambiente.

Sabe-se que o aquecimento global e as mudanças climáticas estão diretamente ligadas aos impactos ambientais provocados pelos seres humanos, sobretudo à emissão de gases poluentes na atmosfera, e isso tem trazido sérias consequências para o mundo todo. Em Pernambuco, esse efeito já pode ser sentido do litoral ao sertão. No interior, o clima é quente e seco, ameaçado por um processo contínuo de desertificação. No litoral, a capital Recife, localizada ao nível do mar e cortada por rios e canais, é considerada a 16ª cidade mais vulnerável às mudanças climáticas. Essa ameaça trouxe o clima para a agenda política do Estado, que lançou em março deste ano o Plano de Descarbonização de Pernambuco. Trata-se de uma estratégia estadual para reduzir a emissão de gases de efeito estufa e contribuir para evitar o aumento do aquecimento global e suas consequências. Para que esse compromisso seja efetivo, é preciso que todos os municípios do estado se integrem e abracem a pauta climática e coloquem planos e ações em prática.

Dentre as principais medidas do Plano de Descarbonização de Pernambuco estão: a eliminação gradual do desmatamento com restauração de vegetação nativa, com recuperação da mata atlântica e a caatinga; a produção de biocombustíveis para meios de transporte de difícil transformação (aviação, rodoviário de caminhões e containers); a  eletrificação de veículos leves; a expansão da capacidade de energia a partir de fontes renováveis; a recuperação energética de biogás de aterros; e a implantação de captura e armazenamento de carbono.  Medidas que envolvem os setores de Energia & Indústria, Transportes, Resíduos e Agricultura, Floresta e outros usos do solo.