Representando Pernambuco na 27ª Conferência da Organização das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP27), a Secretária Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Inamara Mélo, assinou nesta sexta-feira (11) um Acordo de Cooperação Técnica com a Plataforma CIPÓ. Por meio dele, ficou definido que o Recife receberá, nos dias 09 e 10 de fevereiro de 2023, a “Conferência Clima e Estratégia Internacional: novos rumos para o Brasil”. 

Junto à Abema, Instituto Clima e Sociedade (ICS) e Plataforma CIPÓ, Pernambuco vai reunir os principais atores do clima no cenário nacional e internacional, com a intenção de estabelecer uma estratégia para a ação climática que esteja alinhada ao desenvolvimento sustentável inclusivo, defesa do multilateralismo e uma governança inclusiva. “Seguimos a nossa agenda de trabalho aqui no Egito, em mais uma iniciativa para manter o protagonismo climático de Pernambuco. A Conferência também terá como objetivo repassar aos novos secretários estaduais de meio ambiente, que serão empossados a partir de 2023, o trabalho que vem garantindo protagonismo aos estados brasileiros”, destacou a secretária. O encontro do ano que vem, na capital pernambucana, também será um momento fundamental para que a implementação dos compromissos assumidos na Carta dos Estados pelo Clima, em 2019, possa ter continuidade sob a condução dos novos gestores.

Inamara Mélo também foi uma das palestrantes do painel “ O papel dos Estados para o avanço na descarbonização do setor energético”, que aconteceu no Espaço Brasil da COP. A secretária estadual compartilhou, junto a outros gestores de meio ambiente estaduais, os desafios e as estratégias necessárias para que se consiga expandir a produção de energia elétrica a partir de fontes renováveis e se aumente a eficiência energética.

Como a questão energética representa um importante percentual das emissões de gases do efeito estufa, a secretária reforçou o potencial solar e eólico que o Nordeste possui. “Ao todo, 66 gigawatts de potência em energia renovável foram outorgados para a nossa região, o que significa 5x mais a potência da hidrelétrica de Itaipu. A implementação de boa parte das outorgas, além do crescimento para a geração distribuída, deve gerar mais de 2 milhões de empregos, número que pode aumentar considerando os investimentos em novas tecnologias, como o hidrogênio verde”, disse.

Destacando os avanços alcançados por Pernambuco, Inamara apresentou uma Parceria Público Privada (PPP) que deve reduzir consideravelmente as contas da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) e as emissões de carbono. “A PPP conta com investimentos na ordem dos R$450 milhões e implicará na criação de 700 empregos diretos e na redução de 18 mil toneladas de Gás Carbônico (CO2) emitidos por ano para a atmosfera. É uma iniciativa inédita entre as companhias de saneamento brasileiras”, explicou.

Ainda durante o painel, a representante de Pernambuco no Egito destacou o trabalho desenvolvido em Pernambuco no que diz respeito a revisão do seu Atlas Eólico e Solar, que além de mapear o potencial de geração em todo o estado, traz informações importantes para a atração de empreendimentos do setor. O Estado quer avançar na regulamentação dos processos de licenciamento para a instalação desses empreendimentos eólicos e solares, buscando transparência e celeridade no processo de instalação, sem abrir mão do rigor técnico e do cumprimento das normas ambientais. “Para que a energia renovável possa avançar no nosso território, precisamos garantir que a energia seja de fato limpa, que estes empreendimentos não degradem o ambiente e que tragam benefícios reais às comunidades locais”, finalizou Inamara.