A secretária estadual de meio ambiente e sustentabilidade, Inamara Mélo, chegou nesta segunda-feira (07) na cidade de Sharm El Sheikh, no Egito, para representar Pernambuco na 27ª Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas (COP 27).  O encontro, que segue até 18 de novembro, reunirá representantes de cerca de 200 países com a missão de fortalecer as iniciativas globais de mitigação e adaptação à crise climática. 

Pernambuco tem se destacado internacionalmente na agenda climática e levará à COP27 o resultado dos trabalhos realizados nos últimos quatro anos. Consolidando o protagonismo no setor, a secretária Inamara Mélo irá apresentar a atualização do inventário de emissões de gases de efeito estufa, destacando o fato de Pernambuco ser o único estado brasileiro a apresentar um inventário com dados desagregados por município. A secretária irá anunciar também a adesão do estado ao projeto STARRS, da coalizão Under2, que iniciou o monitoramento das emissões através de imagens de satélite, uma tecnologia inédita no mundo.

Inamara Mélo também irá apresentar durante a COP27 o Plano Estadual de Descarbonização, um documento que norteia todas as políticas públicas de enfrentamento à crise climática. Construído com o apoio da União Europeia e do Fórum Pernambucano de Mudança do Clima, o Plano é tido como pioneiro no mundo. “O nosso Plano apresenta modelagens integradas e metas de curto, médio e longo prazo para os setores de energia, indústria, transporte, agricultura, resíduos e floresta, com indicadores, análise de barreiras e a indicação das ações necessárias à sua implementação. Neste momento, a Semas trabalha no sistema de governança do Plano e espera encontrar na COP27 aprendizados e parceiros para fortalecer essa jornada”, explicou a secretária.

Coordenando a Câmara Técnica do Clima da Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Meio Ambiente (Abema), Pernambuco dará ênfase à articulação e ao trabalho em rede com alianças climáticas e organizações nacionais e internacionais com o objetivo de ajudar o Brasil na retomada do seu protagonismo na luta contra a crise climática.