O secretário estadual de Meio Ambiente, José Bertotti, participou da reabertura da terceira etapa do PEDI e lembrou a importância desta unidade de conservação para os pernambucanos

Presente na memória afetiva de várias gerações de pernambucanos, o Parque Estadual Dois Irmãos passou por reformas, pintura, manutenção, ambientação e nesta sexta (04/03) reabriu a sua terceira e última etapa, que compreende os viveiros florestais, o meliponário, a cidade da criança com uma grande novidade: o espaço ganhou mais um polo de educação ambiental destinado a atividades eco educativas para o público infantil. Jogos lúdicos foram desenvolvidos pela equipe do parque para estimular a sensibilização dos pequenos grandes cidadãos sobre a importância da conservação das espécies de flora e fauna da Mata Atlântica e da Caatinga.

O secretário de Meio Ambiente de Pernambuco, José Bertotti, falou sobre a importância do PEDI para os pernambucanos: “É aqui que está contido o zoológico de Pernambuco, é aqui que temos um espaço de educação ambiental, de conservação das espécies de nossa fauna da Caatinga, da Mata Atlântica e também o contato com a natureza que a população pode usufruir. Hoje o mundo vive uma emergência climática e a grande questão que está posta é a não conservação e a perda da nossa biodiversidade, das nossas florestas. Poder contar com uma área de 1.156 hectares de Mata Atlântica muito bem preservada dentro de uma capital como o Recife é um tesouro, um tesouro que tem que ser preservado e também cuidado pela nossa população”.

Péricles (camisa azul) veio com a mãe, a tia e os primos conferir as novidades do PEDI

Na reabertura da terceira etapa do PEDI, os visitantes foram chegando aos poucos. Péricles Oliveira, de 5 anos, veio com a mãe, a tia e os primos conferir de perto as novidades: “Gosto muito de fazer este passeio, de ver os animais, o hipopótamo, eu me sinto alegre aqui”.  E de fato é um programa e tanto para a criançada e toda a família. Um programa que atravessa gerações. O senhor Romildo Leite é pernambucano, mas mora em Tocantins com a esposa e o filho e toda vez que vem ao Recife faz questão de visitar o parque que marcou diversas etapas da sua vida, desde criança até a idade adulta: “Acho que esse novo projeto que dá mais ênfase à fauna e à flora da região é autêntico, bonito, seletivo e vale a pena para o público e para todos nós pernambucanos”.

“Estamos no coração de uma unidade de conservação e a vida está acontecendo ao redor. A gente quer sensibilizar o olhar das pessoas para essa vida e fazer com que elas também se enxerguem neste contexto”, ressalta Shirley Pacheco, gerente geral do PEDI. Conservação, pesquisa e educação ambiental são os pilares desta unidade de conservação que oferece ao público uma série de serviços. Nos fins de semana, por exemplo, os visitantes podem participar de circuitos guiados sobre a Mata Atlântica e a Caatinga e também de circuitos infantis de brincadeiras e gincanas ecológicas com foco na conservação destes dois biomas. Existe também um serviço exclusivo para as escolas, as aulas vivas, cujo objetivo é fazer com que os alunos possam vivenciar no parque a experiência empírica sobre assuntos que aprendem no colégio. E o PEDI é mesmo um verdadeiro laboratório a céu aberto. 

Secretário estadual de Meio Ambiente, José Bertotti, visita o novo polo de E.A. do PEDI

“Há mais de 300 anos essas matas aqui fornecem a melhor água que é distribuída para a população do Recife, fruto de nascentes que estão aqui. Aqui também estão os moradores do parque, os animais que foram resgatados, vítimas de tráfico, de maus tratos e que não podem mais voltar para vida livre, mas que hoje são cuidados e que podem se reproduzir. Temos programas de conservação e reprodução para depois repovoar as nossas matas. E poder contar com esse parque, que é uma das 89 unidades de conservação do Estado de Pernambuco, que tem seu conselho gestor com participação das universidades e da sociedade civil, que tem seu plano de manejo que orienta qual o melhor uso sustentável deste espaço olhando para a preservação das espécies tanto da flora e da fauna e também um plano diretor específico para o zoológico hoje direcionado fundamentalmente para as espécies da Caatinga e da Mata Atlântica, é um privilégio, mas também uma grande responsabilidade que nós compartilhamos com você pernambucano que nos visita e que sabe que hoje cuidar do meio ambiente é cuidar do futuro da nossa vida no Planeta”, ressalta José Bertotti.

SERVIÇO:
Parque Estadual Dois Irmãos
Aberto de terça a domingo
Horário: 9h às 16h
Valor da entrada: R$5 e R$2,50 meia-entrada (Crianças até 5 anos ou até 1m de altura não pagam)
* Para entrar no Parque é necessário apresentar o cartão de vacinação contra a Covid-19.

Fotos: Pedro Caldas/Semas-PE