O Governo de Pernambuco lançou, em abril de 2021, a realização do maior conjunto de estudos ambientais em áreas remanescentes de Mata Atlântica e Caatinga do Estado. Trata-se do programa UC Pernambuco, promovido pela Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas). Com a iniciativa, 47 Unidades de Conservação (UCs) estaduais serão beneficiadas, pesquisas e/ou planos de manejo. Os trabalhos abrangem um território de 243,6 mil hectares e devem ser concluídos até janeiro de 2023.

Pernambuco possui atualmente 89 UCs, das quais 74 são geridas pelo Estado. O programa beneficiará mais de 55% dessas áreas protegidas sob a administração pública. Esses maciços estão localizados em 32 municípios, distribuídos nas regiões do Sertão, Agreste, Zona da Mata e RMR. Do total de reservas contempladas, 41 terão planos de manejo elaborados ou renovados, sendo 33 do bioma Mata Atlântica, 07 da Caatinga e um do Marinho Costeiro. As outras seis unidades de conservação serão contempladas com diagnósticos socioambientais, todas composta por ecossistemas estuarinos.

Com a realização desses estudos, o governo pretende potencializar a gestão e a conservação dos recursos naturais. Os planos de manejo vão abranger o diagnóstico (levantamento do meio físico, biótico, antrópico – ação e relação do homem com o local -, aspectos legais, etc), zoneamento de territórios, definição de potencialidades, diferenciação e intensidade de uso dos recursos existentes, necessidades de proteção e recuperação, assim como a implantação das estruturas físicas necessárias à gestão dos espaços estudados.

O programa ainda prevê definir zonas para corredores ecológicos, capazes de conectar fragmentos de mata e unidades de conservação. A medida é considerada estratégica para a preservação da biodiversidade local, em especial das espécies ameaçadas de extinção. Isso porque os corredores vão ampliar a área de incidência da fauna silvestre, consequentemente aumentando as possibilidades de sobrevivência e bem-estar desses animais com mais oportunidades de alimentos, reprodução e habitat.

Participação social

A Semas/PE tem como uma das metas, dentro do programa UC Pernambuco, consolidar o envolvimento das comunidades locais na proteção das reservas. Para tanto, promoveu, através do Instituto de Tecnologia de Pernambuco (Itep/OS) – organização contratada para executar o programa -, uma chamada pública com o objetivo de selecionar instituições da sociedade civil que atuam nesses territórios. Elas devem realizar a parte dos estudos conhecidas como diagnósticos socioambientais das Unidades de Conservação (UCs) e ajudar na formação dos conselhos gestores.

Ainda como parte do legado do programa, serão criados conselhos gestores com ampla participação da sociedade civil em todas as UCs beneficiadas. Esses fóruns ficarão responsáveis por acompanhar a implementação das iniciativas e atividades definidas a partir da conclusão do plano de manejo das reservas, a exemplo de recuperação de territórios, manejo da fauna e flora, entre outras ações.

Como acompanhar o programa?

A sociedade pode acompanhar de perto todas as ações do programa UC Pernambuco e contribuir ativamente com ele pelo site:

https://uc-pernambuco.semas.pe.gov.br/

Lista de áreas protegidas beneficiadas

Ucs beneficiadas com planos de manejo

1. RVS Mata de Santa Cruz, (Itamaracá);
2. RVS Mata do Amparo, (Itamaracá);
3. RVS Mata do Eng° São João, (Itamaracá);
4. RVS Mata do Jaguaribe, (Itamaracá);
5. RVS Mata do Eng° Macaxeira, (Itamaracá);
6. RVS Mata Lenço dos Cações (Itamaracá);
7. RVS Mata do Sistema Gurjaú (Cabo de Santo Agostinho/ Jaboatão dos Guararapes/Moreno);
8. RVS Mata da Serra do Cotovelo (Cabo de Santo Agostinho/ Moreno);
9. RVS Mata do Cumaru (Cabo de Santo Agostinho/ Moreno);
10. RVS Mata do Urucu (Cabo de Santo Agostinho/ Escada/ Vitória);
11. RVS Mata do Bom Jardim, (Cabo de Santo Agostinho);
12. RVS Contra Açude, (Cabo de Santo Agostinho);
13. PE Mata de Duas Lagoas, (Cabo de Santo Agostinho);
14. PE Mata do Zumbi; (Cabo de Santo Agostinho);
15. FURB Camaçari (Cabo de Santo Agostinho);
16. RVS Mata do Eng° Salgadinho, (Jaboatão dos Guararapes);
17. RVS Mata de Mussaíba, (Jaboatão dos Guararapes);
18. FURB Mata de Jangadinha e (Jaboatão dos Guararapes);
19. FURB Mata de Manassu (Jaboatão dos Guararapes);
20. RVS Mata de Caraúna, (Moreno);
21. RVS Moreninho (Moreno);
22. Apa do Engenho Jardim (Moreno);
23. – RVS Mata de Miriba (Abreu e Lima);
24. FURB Mata de São Bento (Abreu e Lima);
25. -FURB Mata de Jaguarana (Paulista);
26. FURB Mata do Janga (Paulista);
27. APA de Sirinhaém (Sirinhaém/Rio Formoso/Ipojuca);
28. ARIE Ipojuca Merepe (Ipojuca);
29. APA Marinha Recifes Serrambi (Serrambi);
30. RVS Matas do Siriji (São Vicente Férrer);
31. RVS Matas de Água Azul (Timbaúba, Vicência e Macaparana);
32. MN Pedra do Cachorro (Brejo da Madre de Deus, São Caetano e Tacaimbó);
33. RVS Serras Caangueiras (Salgueiro/ Cabrobó);
34. RVS Serra do Giz (Afogados da Ingazeira e Carnaíba);
35. ESEC Serra da Canoa (Floresta);
36. PE Serra do Areial (Petrolina);
37. RVS Riacho Pontal (Petrolina).
38. APA de Santa Cruz (Goiana/ Itamaracá/ Itapissuma);
39. APA Aldeia Beberibe (Camaragibe/ Recife/ Paulista Abreu e Lima/ Igarassu/ Araçoiaba/ São Lourenço/Paudalho);
40. PE Mata da Pimenteira (Serra Talhada);
41. APA de Guadalupe (Tamandaré/Rio Formoso/ Sirinhaém/ Barreiros).

UCs beneficiadas com diagnósticos socioambientais

1. APA Estuarina do Canal de Santa Cruz (Goiana/ Itamaracá/ Itapissuma);
2. APA Estuarina do Rio Itapessoca (Goiana);
3. APA Estuarina do Rio Jaguaribe (Itamaracá);
4. APA Estuarina dos Rios Sirinhaém e Maracaipe (Ipojuca/ Sirinhaém);
5. APA Estuarina do Rio Formoso (Sirinhaém/Rio Formoso);
6. APA Estuarina do Rio Carro Quebrado (Barreiros);