Na ocasião, o governador Paulo Câmara assinará um decreto formalizando o compromisso e criando o Comitê Estadual Pernambuco Carbono Neutro para colocar em prática as ações do plano que começou a ser elaborado em 2020 e que tem como meta neutralizar as emissões de carbono até 2050

O aquecimento global e as mudanças climáticas estão diretamente ligadas aos impactos ambientais provocados pelos seres humanos, sobretudo à emissão de gases poluentes na atmosfera, e isso tem trazido sérias consequências para o mundo todo. Em Pernambuco, esse efeito já pode ser sentido do litoral ao sertão. No interior, o clima é quente e seco, ameaçado por um processo contínuo de desertificação. No litoral, a capital Recife, localizada ao nível do mar e cortada por rios e canais, é considerada a 16ª cidade mais vulnerável às mudanças climáticas. Essa ameaça trouxe o clima para a agenda política do Estado. O Plano de Descarbonização de Pernambuco é uma estratégia estadual para reduzir a emissão de gases de efeito estufa e contribuir para evitar o aumento do aquecimento global e suas consequências. Ele será lançado no dia 16 de março, Dia Nacional da Conscientização sobre as Mudanças do Clima, logo após a abertura da Cirsol – I Conferência Internacional de Resíduos Sólidos. Na ocasião, o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, assinará um decreto formalizando o compromisso com a neutralidade de emissões de carbono até 2050 e criando o Comitê Estadual Pernambuco Carbono Neutro – CEPEN para apoiar e monitorar a implementação do Plano de Descarbonização do Estado.

O CEPEN será composto pelos titulares da Secretaria de Planejamento e Gestão, que o coordenará; da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação; da Secretaria de Desenvolvimento Agrícola; Secretaria de Desenvolvimento Econômico; Secretaria de Infraestrutura e Recursos Hídricos; Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade; e da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação. O Comitê deverá apresentar anualmente ao Fórum Pernambucano de Mudança do Clima os principais avanços do Plano de Descarbonização e colher contribuições para aprimoramento das ações.

Há dois anos uma equipe multidisciplinar vem trabalhando para encontrar soluções custo-efetivas que possam ser implementadas para reduzir as emissões de gases do efeito estufa no estado. Uma contribuição efetiva de Pernambuco que contou com um planejamento integrado de ações de mitigação para os setores de energia e uso do solo até 2050, com metas a curto e médio prazo. Dentre as principais medidas do plano estão: a eliminação gradual do desmatamento com restauração de vegetação nativa, com recuperação da mata atlântica e a caatinga; a produção de biocombustíveis para meios de transporte de difícil transformação (aviação, rodoviário de caminhões e containers); a  eletrificação de veículos leves; a expansão da capacidade de energia a partir de fontes renováveis; a recuperação energética de biogás de aterros; e a implantação de captura e armazenamento de carbono.  Medidas que envolve os setores de Energia & Indústria, Transportes, Resíduos e Agricultura, Floresta e outros usos do solo.  Para saber mais sobre o Plano de Descarbonização de Pernambuco, acesse: https://semas.pe.gov.br/pernambuco-carbono-neutro/

Cirsol – A I Conferência Internacional de Resíduos Sólidos trará debates de extrema importância para a agenda nacional e internacional do meio ambiente e deixará um legado importante no enfrentamento às mudanças climáticas. O evento estimulará a discussão sobre resíduos sólidos de forma multissetorial, com o intuito de gerar ações que resultem em impacto positivo de cumprimento dos compromissos assumidos com a Agenda 2030 da ONU, um plano de ação global que reúne 17 objetivos de desenvolvimento sustentável e 169 metas, criados para promover uma vida digna para os seres humanos no planeta sem comprometer o meio ambiente e as próximas gerações. Informações sobre inscrição e programação completa da Cirsol, acesse: https://www.cirsol.com.br/