Parque de Dois Irmãos lamenta morte de urso Zé Colmeia

Veterinários examinaram e medicaram Zé Colmeia que apresentava respiração ofegante e falta de apetite. Exames realizados pela UFRPE devem apontar causa do falecimento

O Parque Estadual de Dois Irmãos amanheceu, neste sábado (22), mais triste com a partida súbita do urso-pardo (Ursus arctos) Zé Colmeia. O grandão, que tinha 22 anos e era um dos mais antigos moradores do zoo, apresentou dificuldades respiratórias na última quinta (20), quando foi medicado e passou a ser monitorado por uma junta de veterinários e biólogos especialistas em animais silvestres do próprio zoológico. Ele chegou a apresentar melhora na manhã da sexta (22), mas infelizmente não resistiu.

Segundo o médico veterinário e gestor técnico do parque, Márcio Silva, o tratador notou o urso um pouco apático e sem querer se alimentar na quinta e prontamente acionou os técnicos do equipamento. “Como forma de proporcionar bem-estar, ofertamos parte da alimentação deles em locais diferentes no recinto. É uma forma de estimular o animal a interagir dentro do ambiente. Nesse dia, o tratador estranhou Zé Colmeia não sair do cambiamento, uma área separada do recinto que o público não vê. Então, alertou os veterinários que seguiram junto com a bióloga para avaliar o animal”, explica.

Três veterinários examinaram Zé Colmeia que apresentava uma respiração ofegante e falta de apetite. A partir daí, foi iniciado tratamento com antibiótico, anti-inflamatório e analgésico, além de se estabelecer um grupo de especialistas para acompanhar o caso. Zé Colmeia teve uma melhora na sexta, mas a situação mudou rapidamente. “Ele amanheceu melhor, ficou de pé, andou, se alimentou e bebeu água. Mas, à tarde, foi algo muito súbito. Quando os veterinários foram aplicar uma nova dosagem do medicamento, já encontraram o animal sem reação”, conta Márcio com a voz embargada.

Em parceria com a Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), foi realizada, ainda na noite da última sexta, a necropsia do bicho para identificar a causa da morte. Até o momento, sabe-se que Zé Colmeia faleceu em decorrência de uma síndrome respiratória aguda grave. Mas, aguarda-se os resultados dos exames laboratoriais que devem apontar os fatores que levaram o animal a desenvolver esse quadro. “Importante dizer que não se deve fazer associações apressadas. Várias hipóteses estão sendo estudadas. Mesmo assim, devido ao cenário de pandemia, as autoridades sanitárias e a Associação Brasileira de Zoológico e Aquários foram informadas do ocorrido”, relata o gestor.

Os especialistas do Zoológico do Recife agora se dedicam a acompanhar de perto a ursa-parda Úrsula que convivia com Zé Colmeia no mesmo recinto. Até o momento, ela não apresenta alterações clínicas nem comportamentais. Apenas foi identificado certa tristeza atribuída neste caso à perda do companheiro. “É um momento de muita tristeza para toda a nossa equipe, pois nos dedicamos com muito afinco, de coração, aos cuidados com cada animal. Sentimos essa partida profundamente. E por isso mesmo, seguimos com a atenção redobrada com Úrsula, que até o momento segue bem de saúde”, disse Márcio Silva.