Fiscalização da CPRH apreendeu um caminhão e três máquinas. Uma área de aproximadamente 15 hectares estava sendo degradada

A Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH) paralisou, nesta quarta-feira (24), uma operação de retirada de areia em Área de Preservação Permanente (APP), no município de Igarassu, nas proximidades da praia de Mangue Seco. Uma área de aproximadamente 15 hectares foi degradada. A equipe estava apurando denúncia de maus tratos e de caça de animais silvestres, quando se deparou com a situação: máquinas fazendo escavações e caminhões o transporte do material. A investida teve o apoio de policiais militares da Companhia Independente de Policiamento do Meio Ambiente (Cipoma).

“A operação era desenvolvida irregularmente, sem a licença ambiental da CPRH e causava sérios impactos negativos ao meio ambiente, inclusive com a derrubada de árvores da Mata Atlântica. Segundo as pessoas que estavam no local, a responsável pelo empreendimento é moradora do Recife e a CPRH fará chegar à mesma o Auto de Constatação”, explicou o gerente da Unidade de Gestão em Fauna, Iran Vasconcelos.

Vasconcelos disse também que será aplicada multa, cujo valor será decidido na quinta-feira (25), pois será uma avaliação conjunta de duas diretorias da Agência. Isso porque serão levadas em contas as infrações cometidas, como mineração e desmatamento, atividades fiscalizadas por equipes distintas dentro da Agência.

Os agentes da CPRH ainda perceberam indícios do descarte inadequado do óleo utilizado nas máquinas que operavam no local. “Encontramos vestígios de que o óleo inservível estava sendo depositado próximo à área alagada, o que pode acarretar problemas, como a contaminação do solo e do lençol freático”, comentou o gerente do setor de Gerenciamento, Agricultura e Mineração, André Otelo. A CPRH paralisou a atividade, apreendeu um caminhão e três máquinas que estavam operando no local, no momento da fiscalização.