O administrador de Fernando de Noronha, Guilherme Rocha, juntamente com o secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco, José Bertotti, receberam, em Fernando de Noronha, o diretor geral da Agência Nacional de Energia Elétrica – Aneel, André Pepitone. Em encontros realizados na ilha, foram discutidas alternativas para aumentar a geração de energia renovável no arquipélago e avançar na meta de zerar a emissão de carbono até 2030, prevista no programa Carbono Zero.

“Sabemos que precisamos vencer várias etapas e, com calma e planejamento, nós vamos atingir o nosso final, que é mudar 100% a nossa matriz energética para a energia limpa e renovável. Essa é uma agenda extensa, porém importante para novas estratégias e novas ações concretas para a gente melhorar cada vez mais a energia aqui em Fernando de Noronha”, explicou o administrador Guilherme Rocha.

Em uma reunião no palácio São Miguel, ficou acertada a participação do Governo nas discussões de um estudo que vem sendo desenvolvido pela EPE – Empresa de Pesquisa Energética, para definir qual é a solução mais eficiente de energia renovável em Fernando de Noronha, pensando numa matriz polivalente, somando outras fontes de geração à energia solar já utilizada. De acordo com o secretário José Bertotti, o resultado desse estudo será um importante ponto de partida: “A partir daí, iremos aprofundar as cooperações de produção de energia, de compra de energia, mas sempre olhando o processo de energia renovável com a meta de neutralizar as emissões em Fernando de Noronha. A meta de neutralidade para 2030 em Noronha antecipará as metas de redução que Pernambuco está procurando para 2050”.

Para o presidente da Aneel, André Pepitone, Noronha tem excelentes condições para garantir o abastecimento de energia 100% limpa. “A ilha é um ambiente ideal para que se façam projetos pilotos no uso de energia renovável como eólica, solar, uso de baterias, mobilidade elétrica, além de avançar com programas de medidores inteligentes. Nós temos aqui as condições ideais para ter todo um pacote de inovação alinhado às melhores práticas mundiais na ilha de Fernando de Noronha”.

Durante o encontro, foram apresentadas iniciativas de curto, médio e longo prazos. Para assegurar o suprimento dos veículos elétricos por fontes renováveis, serão construídas duas novas usinas solares fotovoltaicas na ilha, totalizando 100 quilowatts-pico (kWp) com bancos de baterias associados. A energia gerada pelas duas unidades será suficiente para abastecer não apenas os carros do projeto como também outros automóveis movidos a eletricidade. As áreas para a implantação das usinas foram cedidas pela Administração de Fernando de Noronha e os painéis solares da primeira unidade serão instalados ainda neste segundo semestre. Os pontos de recargas para os carros elétricos serão distribuídos em locais estratégicos do arquipélago.

“A nossa presença em um ecossistema delicado como Fernando de Noronha exige o compromisso inegociável com a sustentabilidade. Atuamos diariamente por um modelo de negócio viável que concilie conservação ambiental, desenvolvimento socioeconômico e qualidade de vida da população. Nos últimos anos, a Neoenergia investiu mais de R$ 66 milhões em ações com foco sustentável na ilha”, comenta o CEO da Neoenergia, Mário Ruiz-Tagle. O CEO destacou que, como empresa ambientalmente responsável, a Neoenergia manterá esforços na ampliação e adoção de tecnologias mais eficientes