Nesta etapa, especialistas farão entrevistas com as pessoas para manter os dados atualizados sobre a presença do coronavírus na comunidade

Fernando de Noronha deu início, nesta segunda-feira (21), à quarta fase do estudo epidemiológico, que desde maio avalia a circulação do novo coronavírus entre os moradores da ilha. Cerca de 900 pessoas, entre homens e mulheres, participam do estudo, respondendo questionários e realizando exames. Nesta nova etapa, os agentes comunitários, agentes de endemia e integrantes das equipes de saúde de Fernando de Noronha inicialmente vão fazer entrevistas com as pessoas, para manter os dados atualizados sobre a presença do coronavírus na comunidade. A etapa de coleta de exames, do tipo RT-PCR e o de identificação de anticorpos, vai ocorrer a partir do dia 04 de janeiro de 2021.

Para esta penúltima fase, um teste diferente será realizado. Em vez do teste sorológico rápido, como vinha sendo aplicado até agora, será feita a pesquisa quantitativa de IgG (com amostras de plasma), no equipamento da empresa Abbott, que fornece respostas mais precisas na detecção dos anticorpos para a doença. O material coletado será encaminhado à Fundação de Hematologia e Hemoterapia de Pernambuco (Hemope), no Recife, para ser processado, sendo oferecido um resultado ainda mais exato, se a pessoa já teve a doença e se apresenta imunidade contra a Covid-19.

Para Guilherme Rocha, administrador de Fernando de Noronha, a pesquisa se mostrou importante desde o início, contribuindo para a reabertura gradual do turismo na ilha, que entrou na terceira etapa de flexibilização para os visitantes também nesta segunda-feira. “Considerando o retorno das atividades turísticas e o cenário epidemiológico atual, com o aumento do número de casos da Covid e o retorno da circulação do vírus na ilha, é importante garantir a continuidade da pesquisa para manter a vigilância ativa da população e colaborar com o controle da doença em Fernando de Noronha”, diz o gestor.

PESQUISA

Denominada de Incidência e Prevalência da Covid-19 no Arquipélago de Fernando de Noronha, a pesquisa monitora a transmissão do vírus na ilha, fornecendo informações para as ações da vigilância em saúde, com medidas restritivas, como o fechamento do aeroporto, do comércio e das atividades turísticas no auge da pandemia, para conter o avanço da doença no território noronhense. Ao longo das três primeiras fases do estudo, foram realizados mais de 4,8 mil testes sorológicos e RT-PCR. Isso garantiu o sucesso no combate ao vírus e a retomada do turismo no arquipélago, com o retorno seguro, sob protocolos rígidos, das atividades econômicas, deixando Noronha livre dos casos mais graves, com monitoramento dos infectados, não registrando óbitos.

Na primeira fase do estudo epidemiológico, aprovado na Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep), foram identificados 46 casos, sendo 42 novos e quatro antigos, já identificados pela Vigilância em Saúde. Na segunda fase, a pesquisa encontrou mais quatro casos, todos já curados, com anticorpos para a Covid-19, diagnosticados a partir do exame sorológico rápido. Todos os exames do tipo RT-PCR realizados na segunda fase foram negativos. Já na terceira fase, foram identificados mais dois casos novos pelo RT-PCR, totalizando 52 casos da Covid-19 identificados pelo estudo. Todos os casos positivos foram para o isolamento, com acompanhamento da Vigilância Epidemiológica local.

PARTICIPAR É IMPORTANTE

Como a doença voltou a circular na ilha, inclusive com vários participantes testando positivo entre uma fase e outra, é importante saber se o contato com o vírus o protegeu, lhe dando imunidade. Por isso, a importância da participação de todos os voluntários da comunidade noronhense, para terem o acompanhamento correto, fornecendo informações precisas ao estudo.

“Ao longo da pandemia, a pesquisa foi importante para orientar as ações de vigilância e controle da Covid-19, assim como apoiar as decisões da administração na retomada das atividades sociais e econômicas em Fernando de Noronha. Na última fase do estudo, prevista para maio de 2021, compreendendo um ano do início do estudo, a expectativa é ser realizada com a população já vacinada. Então, o estudo epidemiológico vai contribuir com a avaliação da efetividade da vacina, ao verificar por meio do teste sorológico a presença de imunidade contra o vírus na população da ilha”, comenta Regina Brizolara, coordenadora do estudo epidemiológico, tecnologista na área de doenças transmissíveis, especialista da Secretaria Estadual de Saúde.

Com as festividades de final de ano muitas pessoas acabam viajando. Então, quem não estiver de volta ao arquipélago até o início de janeiro, quando serão realizadas as coletas, pode entrar em contato através do número de WhatsApp 81-99285 4133 pedindo a antecipação do exame. Outras informações, ligar para (81) 98494 0520. Mesmo que o voluntário tenha faltado em alguma etapa da pesquisa, ele pode participar desta fase sem problema algum, bastando se comunicar com a equipe do estudo.

Fernando de Noronha registrou até o momento 303 casos de Covid-19, sendo 231 casos em Noronha e 72 casos importados. Desse total, 279 pessoas já estão curadas e 24 permanecem em quarentena. Nenhum óbito, ou caso mais grave, aconteceu por conta do coronavírus no arquipélago.

Da assessoria de imprensa de Fernando de Noronha