O secretário de Meio Ambiente e sustentabilidade de Pernambuco, José Bertotti, participou de audiência pública, na noite desta segunda-feira (25) para tratar sobre as novas regras da política de desenvolvimento sustentável do Cerrado brasileiro, atendendo ao requerimento do senador Jean Paul Prates (PT-RN), que é relator de projeto de lei – PL 5.462/2019, que tem como objetivo tornar-se a primeira legislação federal de preservação do Cerrado e dispõe sobre conservação, proteção, regeneração, utilização e proteção da vegetação nativa e política de desenvolvimento sustentável.

Na ocasião, Bertotti, que também estava representando o Governador Paulo Câmara, coordenador técnico da câmara do meio ambiente do Consórcio Nordeste, externou suas preocupações com a falta de proteção integral do cerrado brasileiro, uma das regiões mais importantes do país.

“O nosso Cerrado tem uma área que corresponde a 25% do território brasileiro, também é uma imensa bacia hidrográfica, fornecendo 40% de toda a água doce do Brasil. É uma fonte importante de carbono, abriga povos tradicionais como os índios e quilombolas e por fim é um dos maiores polos agropecuária do mundo. Apesar de toda a importância desta região, metade do Cerrado foi devastada por uma expansão agrícola, deixando o restante sob ameaça imediata. Por isso, um debate franco como este é importante que ocorra, pois a região está perdendo cerca de 0,5% de área ao ano, por conta do desmatamento desordenado. Neste ritmo, quando chegarmos em 2050, teremos apenas 15% do nosso Cerrado”, estimou Bertotti.

Jean Paul Prates, autor do requerimento que originou a audiência pública, observou que o Cerrado é o segundo maior bioma do Brasil e abriga as nascentes de importantes rios, mas não tem um marco de proteção e vive sujeito a ameaças. Conforme ressalta o senador, o Cerrado é fundamental para a segurança hidroenergética do país. “na ausência de uma politica mais eficaz do governo federal em proteção a esta importante região, já que os números e a própria natureza mostram que não estamos indo bem neste assunto. Por isso é necessário que nós parlamentares precisamos assumir tarefas de garantir legislação de proteção e sustentabilidade desta região”, afirmou o parlamentar.

Especialistas apontam forte correlação entre a crise atualmente vivenciada e a situação de degradação enfrentada pelo bioma. “Não há mais espaço para se pensar em outra forma de presença humana na área que não uma pautada pela sustentabilidade”, argumentou Jean Paul.

Participaram ainda da Audiência Pública João Carlos De Carli, consultor da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA); Cesar Barbosa, da Rede Pouso Alto de Agroecologia; José Felipe Ribeiro, pesquisador da Embrapa Cerrados. O evento online foi interativo possibilitando que os cidadãos enviassem perguntas e comentários pelo telefone da Ouvidoria do Senado ou pelo Portal e Cidadania.  Os comentários foram lidos e respondidos pelos palestrantes e debatedor