Debatidas ações ambientais com representante da Usina Maravilha

Encontro focou na construção de parcerias, medidas para preservação de áreas verdes e em modelos de gestão de resíduos sólidos

A Secretaria de Meio e Sustentabilidade de Pernambuco (Semas/PE) debateu, na tarde desta sexta-feira (19), uma série de iniciativas de preservação em áreas verdes e gestão de resíduos sólidos de forma sustentável, com a Usina Maravilha. O secretário da pasta, José Bertotti, se reuniu – por meio de videoconferência – com as representantes do empreendimento (localizado em Goiana): Paula Souza; Fernanda Marques; e Renata Andrade Queiroz.

Na ocasião, Bertotti falou sobre iniciativas de coletas seletivas em curso no município e sugeriu o ingresso da Usina no Fórum Goiana Sustentável. “Temos algumas ações de sustentabilidade na cidade, as quais o Governo de Pernambuco pretende dar continuidade, a exemplo do Centro de Coleta Seletiva. Também mantemos contato com o Fórum Goiana Sustentável, um espaço de debate sobre iniciativas ecologicamente corretas junto ao setor produtivo. Acredito que a Usina Maravilha também poderia ser um colaborador nesse colegiado”, comentou.

O secretário também ressaltou o modelo de gestão e de aproveitamento de resíduos adotado pela UFPE, através da Campanha sobre Consciência Ambiental – COOPERE e da Biorrefinaria Experimental de Resíduos Sólidos Orgânicos, a BERSO. A iniciativa da universidade representa uma economia de R$ 1 milhão por ano e deve inspirar municípios e empreendimentos a adotar medidas semelhantes. “Firmamos, no ano passado, um acordo de cooperação com a UFPE voltado para a cadeia da gestão produtiva dos resíduos sólidos e a unidade de tratamento da UFPE é algo muito interessante de se conhecer”, pontuou Bertotti.

Os executivos da Usina Maravilha se interessaram em participar Fórum e também disseram que desejam se aprofundar na Política de Resíduos Sólidos do Estado para ajudar no processo da destinação do lixo. “Gostaríamos de ajudar a alavancar a coleta seletiva na região e o processo de implementação da logística reversa”, disse Fernanda Marques, lembrando que hoje o percentual de resíduos encaminhados à reciclagem ainda é pequeno no Brasil, assim como o volume de retorno desses produtos às fabricas.