Consórcio Nordeste: Pernambuco coordena reunião da Câmara Temática de Meio Ambiente

O foco do encontro, realizado no Cais do Sertão, foi alavancar Plano de Ação Ambiental da região com apoio do governo francês

A Câmara Temática de Meio Ambiente do Consórcio Nordeste, coordenada pelo Governo de Pernambuco, se reuniu nesta sexta-feira (30), para destrinchar as iniciativas do Plano de Ação Ambiental da região e avaliar aquelas que podem ser alavancadas a partir de parcerias com o governo francês. O encontro contou com a participação do governador do Piauí e presidente consórcio, Wellington Dias, do secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco, José Bertotti; e do diretor da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) no Brasil, Philippe Orliange, além de secretários e gestores de órgãos ambientais dos estados.

Um dos principais pontos de pauta foi a criação do fundo ambiental do Nordeste que deve contemplar não só projetos da câmara temática de meio ambiente, mas também de áreas afins, como agricultura familiar e energias renováveis. O desenho dessa estrutura e a sua governança já vem sendo pensada pelo Consórcio NE, inclusive com o envolvimento de organizações para financiar a elaboração de estudo para isso. A expectativa é que essa estruturação fique pronta até o final do ano.

Segundo Bertotti, a AFD se mostrou bastante interessada em conhecer a proposta do fundo e as iniciativas em desenvolvimento pela câmara. “Na verdade, estamos realizando dois trabalhos em paralelo. Um é voltado ao desenvolvimento de projetos e outro ao esforço de captar recursos que os tirem do papel. Foi uma reunião longa, mas muito proveitosa. Os trabalhos estão avançando e eu acredito que, em breve, teremos recursos franceses em projetos e ações integradoras para a região Nordeste capitaneados a partir do Consórcio Nordeste”, disse o secretário.

O Plano de Ação Ambiental do Consórcio NE foi construído conjuntamente com os órgãos ambientais dos Estados e está dividido em cinco eixos (Boas práticas e ações integradoras; Monitoramento, gestão do conhecimento e suporte à tomada de decisões; Monetização de ativos ambientais; Restauração e conservação da biodiversidade do NE; Controle e redução dos impactos dos resíduos sólidos). O documento está alinhado com os chamados da ONU pela preservação da biodiversidade e da restauração dos ecossistemas.

Além da criação do fundo, são iniciativas de destaque: a estruturação de banco de dados e parâmetros de boas práticas ambientais para fins de cooperação técnica entre os estados; a instalação de observatórios para Zona Costeira e Marinha, e para Caatinga; criação de um Plano regional de Contingência para Incidentes de Poluição por Óleo na costa; de Pacto pela restauração dos ecossistemas do NE; ações articuladas de combate ao lixo no mar; e a implantação de programa de economia circular para os Resíduos Sólidos.