semana da fauna

Dirigentes da Semas e CPRH abriram a semana comemorativa em live ressaltando a importância da preservação da biodiversidade

Com o debate “A lista vermelha das espécies ameaçadas de Pernambuco”, a Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) e a Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH) deram início à programação da Semana da Fauna, realizada desta segunda (20) até a sexta-feira (24). A abertura oficial do evento foi comandada pelo secretário estadual da Semas, José Bertotti, e pelo diretor residente da CPRH, Djalma Paes. Os dois dirigentes deram as boas-vidas aos convidados e ressaltaram a importância da Semana da Fauna.

O debate, mediado pelo ativista ambiental, Douglas Brito, contou com a participação da gerente da Unidade de Gestão em Projetos da CPRH, Patrícia Tavares, dos professores Francisco Santana, Geraldo Moura, da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), e da professora Raquel Lyra, da Universidade Federal do Agreste de Pernambuco (Ufape), e do analista ambiental do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Répteis do ICMbio, Carlos Eduardo Guidorizzi.

Na sua fala, Bertotti destacou o trabalho do Governo de Pernambuco, voltado para o meio ambiente, tais como o debate sobre a atualização da Política de Fauna. Ele também falou do debate de atualização da Política da Fauna e do movimento animalista. Ressaltou o trabalho que vem sendo desenvolvido no Cetas, não só durante a Semana da Fauna.

Em seguida, Djalma Paes fez uma retrospectiva da instalação do Cetas e do trabalho de toda equipe no acolhimento, reabilitação e soltura dos animais e do projeto Papagaio da Caatinga, que já reabilitou e devolveu mais de 500 exemplares ao seu habitat natural.

Iniciando o debate, Carlos o Guidorizzi fez uma apresentação do trabalho de elaboração da lista vermelha nacional das espécies de ameaçadas de extinção e destacou a importância da lista. Ele fez uma avaliação da experiência da construção da lista de répteis e anfíbios ameaçados e extinção.

Na sequência, o professor Geraldo Moura, que também e coordenador científico da Lista de Espécies Ameaçadas de Pernambuco, falou sobre a lista estadual de espécies ameaçadas e o plano de ação. Explicou o que era a lista vermelha de espécies ameaçadas de extinção, explicando tratar-se de uma lista de espécies com risco de extinção em diferentes escalas e serve como alerta para adotar medidas efetivas para a conservação da biodiversidade.

A professora Raquel Lyra, vice- coordenadora da avaliação do estado de conservação das espécies do Táxon – Aves, da Ufape-, falou sobre o quantitativo das espécies de aves a r avaliado durante a construção da lista de espécies ameaçadas de Pernambuco. Ela explicou que as aves, além de pertencer ao grupo de espécies mais explorado, também sofrem com questões endêmicas no bioma Mata Atlântica, que já tem uma redução de 3% de cobertura, e na Caatinga que vem seguindo o mesmo caminho. Segundo Lyra, o bioma já apresenta redução de 60% de área por ação humana.

Finalizando, o professor Francisco Santana (coordenador da avaliação do estado de conservação das espécies do Táxon – Peixes) falou sobre o quantitativo das espécies de peixes cartilaginosos a serem avaliadas durante a construção da lista de espécies ameaçadas de Pernambuco. Ele disse ser necessário catalogar as espécies e dividir em vários grupos, isso porque o táxon peixes envolve animais que tem biologia e hábitos diferentes entre eles. Inicialmente, vão priorizar os grupos de tubarões e raias, pertencerem ao grupo mais ameaçado de extinção..